A poesia visual de Dice Tsutsumi

SketchTravel from Curio on Vimeo.


Papai Noel chegou mais cedo desta vez

Hoje não tem papo, apenas um link.

Ho, ho, ho!


Produção, pós produção e um off-topic

 

 

 

Os lançamentos de novos filmes, especialmente os recheados de efeitos especiais sempre deixam todo mundo que curte os bastidores da produção com água na boca, imaginando como aquilo tudo foi feito. Neste filme dá pra ter um gostinho de como as cenas foram montadas, algumas em fundo verde, outras com matte painting (cenários ilustrados) e um pouco da modelagem antes do acabamento final da pós produção.

Este é um teaser, sem o making of, mas certamente arrasador nos efeitos especiais.

E um filme artesanal, como o próprio objeto em destaque, sem efeitos especiais ou truques. Um pequeno documentário de um sonho tornando-se realidade. O contexto é muito interessante, um avô que planeja, torneia, modela e monta um motor V12 de ar comprimido, do tamanho de um punho fechado, dedicando a montagem deste e outros motores similares a seus 4 netos, merece ser visto. É uma relíquia de família! Mesmo que não tenha absolutamente nada com a criação visual como costumamos postar aqui no blog, o virtuosismo e a capacidade criativa deste senhor, apaixonado por engenharia mecânica e por seus netos, merece todos os méritos. Repare também no capricho da edição, na qualidade da imagem e na trilha sonora triunfal durante a montagem final do motor. No final, o áudio é reduzido sutilmente, intercalando a ênfase do ronco sutil mas imponente da pequena máquina, funcionando pela primeira vez.

 

 

 


Fundamentos III - Referências e estudos

Completando a série de posts sobre Fundamentos, vamos falar sobre as referências e a importância de existir uma fonte de onde as ideias surgem, algo que vai um pouco além do exercício e da prática constante. É muito comum alguém perguntar se determinado desenho foi feito "de cabeça", como se houvesse uma certa magia ou poder sobrenatural do artista em "psicografar" a imagem. Este é um mito que muitos artistas acabam acreditando e cultivando, para o seu próprio prejuízo. Não há mal nenhum no uso inteligente de referências, e a pesquisa certamente vai contribuir para a execução de uma ilustração melhor, mais elaborada e melhor sucedida do que outra feita instintivamente, às cegas. Sites como o Pixelovely.com, Lovecastle.org ou Scotteaton.compodem ser uma excelente fonte de referências de figura humana, e conta com um timer entre uma imagem e outra, que pode ser ajustado de 30 segundos a 10 minutos, ou você pode escolher o modo "drawing classes", que dá dicas e varia o tempo automaticamente, de poses rápidas iniciais até poses mais longas.

 

Todo artista tem seus heróis e faz muito bem em estudar suas técnicas, seus métodos e copiar descaradamente com fins de desenvolvimento pessoal não tem nada de ruim, é como aprender a andar de bicicleta usando rodinhas laterais. Mas como todo mundo um dia tem que tirar as rodinhas, todo artista deixa de copiar seus ídolos e passa a produzir sua arte pessoal com a influência deles.

Enquanto for um estudo, o desenho não viola os direitos de ninguém, o bicho pega quando se publica uma imagem, em todo ou em parte, que tenha muita similaridade com o original de outra pessoa. O site do artista Scott Eaton é uma fonte incrível de estudos. Além das referências fotográficas ele disponibilizou matérias publicadas com seus tutoriais de ZBrush, onde ensina anatomia humana em mídias digitais. Confira:

Outro problema, desta vez com grandes motivos para ser temido é o plágio. Uma coisa é usar a referência como ponto de partida e criar alguma coisa nova sobre ela, e outra é a cópia literal. O perigo maior está em violar a propriedade intelectual, afinal toda imagem tem dono. Alguém tirou ou comprou os direitos daquela foto, daquele desenho, daquele padrão de textura, enfim. Não dá pra brincar com fogo e sair por aí copiando e assumindo a autoria de tudo que se encontra na web. Para um Juiz, tudo que é claramente reconhecível dentro de outra imagem, pode ser considerado plágio. Seria muito bom poder desmistificar o uso da referência e mesmo que os desenhistas façam muita coisa "de cabeça", seria bom deixar o preconceito de lado e saber que a referência pode ser utilizada como uma ponte para a criação individual, e os maiores aritstas da História, seja na pintura ou na ilustração, se utilizavam fartamente de referências, a maioria sobre fotos que eles mesmos tiravam, enquanto outros, como Vermeer, se utilizavam de câmaras escuras, as precursoras das máquinas fotográficas.


Fundamentos II, desenho e pintura

Alguns assuntos não se esgotam em um único post, falar sobre os Fundamentos da Arte poderia se estender por inúmeros caminhos, propostas e links, mas ao invés de nos alongar por vários capítulos, vamos manter este tema contido numa trilogia enxuta e objetiva. No próximo post falaremos sobre modelagem em 3D e o uso de referências para estudo.

Mesmo trabalhando há anos no Photoshop, por exemplo, ninguém conhece todos os truques ou usa os mesmos recursos que outros artistas para obter certos resultados.

O ilustrador e concept designer Scot Drake criou um blog para as suas Pin-Up Girls, e pequenos videos do making-of de cada uma delas. Ao contrário dos outros tutoriais que costumamos encontrar na web, Scot não é do tipo conversador, e não explica pacientemente cada passo e cada ferramenta, ele simplesmente edita uma trilha sonora, quase sempre intensa e energética, sobre um video acelerado, mas dá pra entender claramente o que ele está fazendo durante o processo. Em alguns casos dá vontade de parar e ver frame-a-frame, para acompanhar melhor um determinado efeito, mas no geral é uma grande aula de técnica de desenho, processo criativo e Fundamentos:

Curioso é que quando falamos de Fundamentos, parece ser o oposto de efeitos, filtros e demonstrações pirotécnicas do software, seja ele qual for. Os Fundamentos costumam ser apresentados da maneira mais básica e elementar possível, e talvez esteja aí toda a expressão do artista, mostrando o seu domínio dos princípios do desenho, estrutura, composição, perspectiva, luz e sombra, harmonia cromática, etc.

A princípio é fácil reconhecer cada ferramenta que ele usa, todo mundo com um conhecimento rudimentar de Photoshop sabe o que ele está fazendo, mas o diferencial está na mão do artista, adquirido em milhares de horas de desenho e estudos acadêmicos.

Veja neste outro exemplo como o simples é explorado ao máximo, e o resultado não poderia ser mais eficiente:

No seu canal do YouTube, Scot Drake mostra outros videos, inclusive cenários, que parece ser a sua atividade principal como artista digital.

Outro artista inspirador é Paul Richards. E já que falamos de Pin-Ups no início deste post, vamos manter o tópico e juntar as duas coisas: os Fundamentos de como desenhar Pin-Ups.

Paul Richards sempre teve uma facilidade enorme em desenhar as formas femininas, mas não de uma maneira realista, e sim com o seu traço inconfundível, como se tivesse criado um universo pessoal, com seus próprios habitantes.

Com mais alguns colegas partilhando o mesmo interesse, e organizou no blog Babe Lab algumas dicas espetaculares, verdadeiras Master Classes na Arte de desenhar belas mulheres. Confira algumas imagens destacadas abaixo, mas não deixe de visitar o blog, tem conteúdo para meses ou anos de estudo.

Aliás, no seu website www.autodestruct.com há uma área chamada “naughties”, mostrando estas jovens, lindas e entusiasmadas habitantes do seu universo particular fazendo coisas que as crianças não deveriam assistir.

No seu blog Autodestruct Digital , além das espetaculares imagens do seu cotidiano, ele também tem alguns tutoriais especiais, como o post “Find the Design”, que merece uma visita bem atenta:

Generoso como poucos, Paul Richards compartilha seus conhecimentos de design, ilustração e arte digital em diversos posts. Confira este, no seu website original, chamado “Thumb War“:

Alguns outros artistas brilhantes, que demonstram seus processos em diversas técnicas são:

Nathan Fowkes (aquarela, carvão e lápis):

Carlos Arellano (digital):

E Mel Milton, com seus diversos blogs, em destaque aqui comentando sobre um desenho a pedido de um amigo:


Fundamentos. Deve haver uma boa razão para isto ser tão importante.

Todo mundo acaba se tornando um especialista em algum momento de sua vida. Seja para algo bom, ruim ou até mesmo algo inútil, mas as pessoas se tornam especialistas de alguma forma. E em dado momento chega alguém e fala sobre os tais "Fundamentos", e aí muito se tem a questionar a respeito do domínio da técnica, se ela é profunda ou superficial. Com a tecnologia atual é muito comum, e até mesmo fácil, se perder entre plugins, efeitos, recursos técnicos e outras coisas que nada são além de ferramentas, mas elas por si, não são suficientes para a realização de trabalhos profissionais, é preciso dominar alguns fundamentos para isto. As ferramentas são meios para um fim, e sem os fundamentos, nenhuma delas tem qualquer propósito. E por mais que se conheça sobre alguma atividade, sempre há o que aprender, sempre tem alguém desempenhando mais e melhor que outro, e este é um dos aspectos mais fascinantes da profissão de um ilustrador, ele nunca está totalmente pronto, por assim dizer. Sempre haverá o que estudar, praticar e aprender, e em uma destas buscas por aquele "algo mais" sobre técnicas de pintura digital, eu encontrei alguns tutoriais muito interessantes no YouTube. Um deles é apresentado por Marco Bucci, um concept designer (color key artist) com profundos conhecimentos de técnicas convencionais como pintura a óleo, e que resolveu compartilhar o que sabe com outros tantos desconhecidos, em uma série de videos apresentados aqui:

Ele tem outros 4 videos muito interessantes e informativos no YouTube, que podem ser vistos neste link. Outro instrutor com uma generosidade capaz de afogar até mesmo os mais sedentos pelo conhecimento é o Feng Zhu, que já produziu diversos DVDs instrucionais para a Gnomon Workshops, e hoje tem uma escola própria, a FZD, sediada em Singapura. Pois é, ele resolveu repartir um pouco do que sabe em videos semanais no YouTube, e o canal dele hoje conta com mais de uma centena de videos, cada um mais fascinante do que o outro. Claro que não colocaremos todos aqui, mas um deles merece destaque, exatamente pela ênfase que ele dedica aos tais Fundamentos, chegando ao ponto de ser quase minimalista ao dizer: "Tudo se resume a 3 formas básicas. Ou é uma esfera, ou um quadrado ou é um cone. Todas as formas se resumem a combinação destes 3 elementos".

Isto é falar sobre Fundamentos com muita convicção, e ele mostra o porquê disto na prática, fazendo ao vivo. Outra frase corajosa é: "não existe diferença entre criar um cenário ou um personagem. Quem entende e domina os fundamentos é capaz de desenvolver ambos, afinal tudo que existe são combinação de esferas, quadrados ou cones, seja um veículo, uma paisagem alienígena ou um ser que a habita".

Claro que os videos são em inglês, mas para quem está neste meio, este é mais um Fundamento a ser aprendido e dominado.


ZBrush 4 - release 2

 

 

 

Foram 10 anos desde o seu lançamento, até que a Pixologic chegasse ao ZBrush 4, uma versão estável e com ferramentas realmente poderosas de modelagem, texturização, pintura e renderização de imagens em 3D. Nas versões anteriores tudo parecia fantástico, mas era tudo "quase". Até sua versão 3.5 o ZBrush parecia um programa Beta, um protótipo muito bom, mas com algumas falhas em pontos cruciais do pipeline, o que não o impediu de se tornar um líder mundial em sua área de atuação, até que começou a perder terreno para o MudBox, comprado pela Autodesk há alguns anos. Este já havia nascido parrudo, um filho bem criado, forte e saudável, que quando mudou seu sobrenome para Autodesk, juntamente com o 3D Studio Max e Maya, só fez crescer de forma sólida e extremamente competitiva no mercado de criação visual em 3D. A Pixologic teve que correr atrás do prejuízo, lançando com um grande atraso a versão 4 do Zbrush, inicialmente para a plataforma Windows, e tempos depois para Mac OS X. Nesta semana foi lançada a versão 4 release 2, para as duas plataformas, com mais recursos de modelagem e alguns avanços no engine de rendering. Valeu a espera, o ZBrush 4R2chegou com as novidades que todos esperavam e a solidez que todos desejavam. A versão 4 e 4R2 apresentaram dezenas de novas ferramentas, principalmente as que tratam de objetos retos, metálicos, os chamados hard-surfaces. Tudo isto foi integrado de forma intuitiva e descomplicada com outras plataformas de 3D, como Maya, Modo, 3D Max e Cinema 4D, através de um plugin chamado Go-Z, que faz a ponte entre os aplicativos permitindo ao usuário que explore o máximo de cada programa, sem ter que passar pelo tedioso processo de salvar, abrir, converter, salvar novamente, etc. Outros recursos de modelagem, rascunhos 3d, transposição e manipulação de objetos também fazem parte do arsenal da nova versão. Confira nestes videos alguns dos novos recursos do novo ZBrush:

 

 

 


A diferença entre fazer e FAZER.

Tem muita gente usando o termo "pensar fora da caixa" até cansar, mais um jargão desgastado, entre tantos outros. Mas o conceito em si é válido, e tem muita gente fazendo exatamente isto. Este é o verdadeiro sentido da palavra "criatividade", aplicado no mundo real, e no meio publicitário principalmente, quem consegue fazer isto acaba muito bem cotado na bolsa de criativos. Depois vai dar um trabalho danado para os headhunters, que procuram estas mentes brilhantes como quem procura por uma agulha no palheiro. E não é sem motivo.

(via Freakepedia) Outras vezes a solução criativa está na releitura das coisas mais simples, como em uma parlenda, cantiga popular cantada de geração em geração, em diferentes formas. O filme "Pombinha Branca", de Fernando Augusto Dias da Silva foi eleito pelo júri popular no festival Anima Mundi em São Paulo, recebeu o 3º lugar na categoria Melhor Curta-Metragem Infantil, 2º lugar na categoria Melhor Curta-Metragem Brasileiro, além do Prêmio Núcleo de Animação de Campinas (Melhor filme de Estudante Brasileiro). Também havia sido premiado no Rio de Janeiro, com o 3º lugar entre os Curtas Infantis e 2º na categoria Melhor Curta Brasileiro.

A fórmula do sucesso estava em dar uma nova roupagem para algo que tinha tudo para ser esquecido pela geração digital. E foi exatamente no meio digital que ele estendeu a vida deste clássico do cancioneiro popular por mais algumas gerações. Fernando Augusto pensou profundamente "dentro da caixa" para executar uma ideia fora dela, de forma brilhante, bem realizada tecnicamente e muito criativa. Mas a criatividade e execução primorosa da arte pode estar em qualquer lugar, às vezes efêmera, como numa xícara de café.

(via Freakepedia) Tem gente que faz porque é uma obrigação. Alguém explicou como fazer, a pessoa aprende, vai lá e faz, entrega, cumprindo a obrigação mas de olho no relógio, esperando o expediente acabar pra poder voltar pra casa. Mas tem gente que faz com gosto, faz porque ama o seu ofício, faz com dedicação cega, obcecado pela perfeição  e por vezes se perde nas horas, realizando sua Arte, não porque alguém mandou fazer, mas porque aquilo é a sua vida. Seja uma grande produção internacional ou um cafezinho que vai durar apenas alguns minutos. E dá pra reconhecer claramente a diferença entre fazer e FAZER, quando alguém faz alguma coisa, qualquer coisa, com a alma. Eu poderia apostar a minha como tem muitos leitores deste blog que sabem exatamente como é esta sensação.


Coca-Cola, dragões, trolls e ZBrush

Que mistura doida, não?

Neste filme tem tudo isto e muito mais.

A produção conjunta entre a FXMat, Wieden & Kennedy Portland e Nexus Productions está em destaque no site do software de modelagem ZBrush, com um making of muito interessante, mostrando várias etapas de modelagem, texturização e efeitos, mas não permite o embed, tem que ver lá mesmo. Acompanhe também nas páginas seguintes ao video, a entrevista com Christopher Brändström, character artist na Framestore Commercials, vale a pena.

E para o final de setembro está previsto o upgrade da versão 4 do ZBrush. Certamente teremos assunto para vários posts, aguarde.


Os bastidores da animação

Os amantes de animação costumam assistir aos extras em cada DVD das grandes produções, e já viram como as equipes trabalham nos bestselles da Disney/Pixar, Dreamworks, BlueSky e outras tantas.

Mas o que fica fora dos holofotes internacionais e do mainstream da animação pode ser até mais interessante e inspirador, porque é feito por equipes menores, em produções de baixo custo, e nem por isto deixam de ter seu aspecto mágico, da criação visual livre, espontânea e vigorosa de quem está entrando no mercado agora, com todo o gás.

É impressionante a habilidade que estes artistas demonstram, condensando tamanha quantidade de informação em videos tão curtos. O roteiro é sempre muito bem elaborado e executado num timing exato, a dinâmica da estória tem que se apresentar, desenvolver e terminar no menor tempo possível, porque cada segundo representa semanas de trabalho da pequena equipe, e a finalização também tem que ser enxuta, tanto em edição, rendering, sonorização e pós-produção, porque não existem verbas milionárias para bancar excessos.

O resultado são pequenas jóias da animação, e no final fica difícil decidir se é mais prazeiroso ver o filme ou seus inúmeros making ofs, testes e imagens de concept para cenários, personagens, estudos de cena, etc.

Nestas produções de alunos da Gobelins, escola de artes francesa que falamos post anterior, o trabalho foi tão bem feito que os autores resolveram deixar o registro da produção disponível, o que é uma ótima ideia, porque além de matar a nossa curiosidade como colegas de profissão, isto certamente os promove em escala mundial como um portfolio de altíssimo nível e é um grande incentivo aos que tem suas ideias no forno para realizarem seus projetos pessoais.

Confira os videos e as imagens de pré-produção, e para os curiosos insaciáveis, seguem os links com mais detalhes de cada filme, abaixo das imagens.

Le Building:

 

Links para o website do curta, para a equipe e galeria de imagens.

Cocotte Minute

Aperte os cintos e curta a viagem, o making-of deste curta é uma verdadeira aula de animação.

Links para o website, demo-reels da equipe e galerias de imagens 01 e 02.

Burning Safari

Links para o website, demo-reels da equipe e galeria de imagens.



Buscar: